Medicina Veterinária faz captura de morcegos para controle da espécie

Desde 2004 o animal passou a ser o maior transmissor de raiva para humanos em todo o País, superando até os cães

De acordo com o Programa Nacional de Controle da Raiva do Ministério da Agricultura, no ano passado foram registrados em todo Brasil, vários casos de raiva provocados por morcegos hematófagos, que se alimentam de sangue. Desde 2004 o animal passou a ser o maior transmissor de raiva para humanos em todo o País, superando até os cães. Para fazer o controle da espécie “Desmodus rotundus”, acadêmicos do 9º período integral e 10º noturno de Medicina Veterinária, da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal-Facimed, foram à campo para a captura de morcegos. O professor Cristian José da Silva, explica que a captura da espécie “Desmodus rotundus” só é autorizada para que se consiga controlar o número de animais. “A aula prática de demonstração, tem o objetivo de ensinar aos acadêmicos como fazer o processo de captura do morcego, escolha do local, utilização da rede e como retirar os animais da rede sem machucá-lo”. Destacou.

O professor ainda explica como é feito o processo de controle após a captura do morcego. “Identificamos se o animal é realmente da espécie “Desmodus rotundus”, e então, passamos no morcego uma pasta à base de anticoagulante, esse morcego volta para dentro dos abrigos onde tem um contato com os outros animais da mesma espécie, eles têm o hábito de lamber uns aos outros”. Disse.
Existe também o controle indireto, que é quando se aplica a pasta ao redor do ferimento onde o morcego sugou o animal. 
De acordo com o professor Cristian, é importante destacar que o controle populacional dos morcegos da espécie “Desmodus rotundus” é de extrema importância, pois eles são os maiores transmissores da raiva, um vírus letal que pode matar animais e seres humanos. É aconselhável que o processo de controle dos morcegos seja realizado por um profissional da área.